Odu ÉJÌÒKÒ – A Dúvida

O Odu Ejioko

Ejiokô é um odu do oráculo de ifá, representado no merindilogun com duas conchas abertas pela natureza e quatorze fechadas. Nesta caída responde Ibeji e Oxalufan, significando casamento, disputa amorosa, inveja, e até mesmo briga com irmãos e familiares para recebimento de herança.
Apesar de Ibeji responder nesta caída, é Oxalá quem comanda (protetor das crianças), por causa da personalidade instável de Ibeji. Quando esse odu cai na 4ª caída no jogo do merindilogun, surpresas boas, cartas, dinheiro, lucros em negócios, amores, boas notícias, casamentos, noivado, formatura, convites para festas e fim de sofrimento.
Na 1ª caída, fala em mediunidade, representa também ciências Ocultas; nas demais caídas fala de demandas, indecisões, gravidez. Quanto a personalidade das pessoas regidas por esse ODÚ ou sob sua influência, são muito alegres e felizes, possuem muita sorte, porém não chegam a ficar ricos, não são ambiciosos e procuram dividir tudo o que possuem.São muito confiantes, voluntariosos, geniosos, prepotentes, exigentes e tentam sempre impor suas vontades. Dessa maneira adquirem constantemente inimigos declarados e ocultos, pois pessoas desse ODU são muito invejadas e vítimas de inimigos traiçoeiros, acarretando muitas demandas para impedir o completo triunfo das pessoas sob essa influência.
Para que possam ter sucesso deverão aprender a guardar segredo de todas as suas verdadeiras intenções e se algo sair errado, se tornam muito sofridas, quando algo não lhes sai como desejam, e, aí, fazem mexericos e criam grandes confusões, mas como geralmente possuem bom coração, logo se arrependem do que fizeram e procuram contornar a situação criada por eles mesmos e tentam tudo para reconquistar as amizades perdidas. Sofrem muito por doenças, amores não correspondidos, enfim, a personalidade é bem instável.

Este Odu é composto pelo elemento terra sobre o ar com predominância da terra.
Rege o órgão sexual masculino.
Corresponde ao ponto cardeal Oeste-Noroeste.
Sua árvore ritualística é o cedro, sendo o signo do tigre enfurecido.
Devem controlar obstinação e ter cuidado com a vesícula e com o fígado, seus pontos vulneráveis.
Neste Odu, por ordem de Ofun Meji, foi criada a terra e por esse motivo é um signo ligado à abundância e à riqueza.
Foi este signo que criou as montanhas e é também um dos Odus gêmeos (Ibeyji).
É um Odu feminino representado por um feto dentro do útero, referência inequívoca à sua influência sobre o estado de gravidez.
Ejiokô é um odu cuja criação é de calma aparente, carrega consigo a dúvida e a incerteza, o pensamento indefinido. Foi criado para duvidar e fazer duvidar de tudo que existe e que foi criado.
É o odu do questionamento que discute boas e más formas de comportamento dos seres vivos.
A Ejiokô é atribuída a discussão sobre a melhor forma de proceder e sobre a forma que algo terá, se for grande, pequeno, largo, estreito, forte e fraco.
Ele rege as cabeças humanas e de alguns animais, vegetais, como por exemplo, pássaros, ervas de rápida metamorfose, e entre elas outras coisas.
Indica grandes confusões, prisão, brigas, complicações com a justiça e crimes.

Quem fala por esse Odu
Omolú, Ogun, Xangô, Obatalá, Oduduwa, Ossain e Ibeyji.

Elementos
Ar

Cores
Todas aquelas derivadas do vermelho, aceitando também o negro e tudo o que for estampado com essas duas cores. Sua figuração inicial indica luminosidade e transparência

Positivo
Este odu é do encontro a dois, casamento ou convivência conjugal, tendência para grandes triunfos, felicidade inesperada, produtividade profissional, expansão nos relacionamentos, parcerias pessoais e profissionais.
Evoluir é a grande obra.
Ejiokô pode indicar atitudes puras e inocentes.
Revela sensibilidade artística, dignidade, evolução material e espiritual.
Conquista de posições elevadas, vitórias, honrarias, encontro de dois corações, casamento, convivência (relacionamento) sexual e empreendimento bem sucedido.
Este odu significa muita curiosidade, surpresas boas, notícias e gravidez.
Traz amor, amizade, saúde, etc.
É o encontro de dois, casamento ou convivência conjugal, felicidade inesperada, sucesso de empresa.

Negativo
Possibilidade de aborto ou parto prematuro, inveja de terceiros, atraso de vida por olho grande, trabalho de feitiçaria feito contra o consulente, melancolia, perdição no amor, separação da família (principalmente da mãe), frigidez nas mulheres, impotência para os homens, inimigos ocultos.
Sofrem por doenças, amores não correspondidos e tem personalidade instável.
Indica que a mulher trai o marido, assinala inversão sexual e aponta enfermidades e bruxarias por comida ou bebida.

Atenção
Para ter sucesso precisam aprender a guardar segredo de todas as suas verdadeiras intenções porque se algo sair errado elas sofrem e fazem mexericos e criam confusões e depois se arrependem e tentam recuperar as amizades perdidas.
É um Odu ligado às “Kennesis” espíritos feiticeiros femininos.
É muito temido pelas mulheres grávidas pelo seu poder de provocar partos prematuros.
Dar o presente na mata perto de um riacho limpo, ou em um jardim e ao voltar, dar canjica nos pés de Oxalá com 22 acaçás em cima.
Abrir o 1 Obi branco e, ao dar aláfia, comer um pedacinho e colocar em posição de aláfia por cima da canjica.
Também pode indicar dificuldade, mal entendido, inquietações, rivalidades, brigas entre pessoas da família. Propicia grandes ilusões, inimigos ocultos que impedem o progresso e poderá também perder tudo se estiver negativo.
Por ser um Odu com características infantis, pode ser agradado em praças, jardins e parques com doces, brinquedos, e tudo o que uma criança gostaria de ganhar como doces do tipo de aniversário, balas e etc.
Ejiokô é um odu que tem uma característica ligada às forças das águas.
Os melhores rituais feitos para ele, devem ser à beira de um lago, um rio ou de uma cachoeira.
Os ebós desse Odu devem ser perguntados a Orunmila e se não for permitido verificar se tem que fazer ebó de Exú, Egun ou Iku.
Sempre que esse Odu aparecer numa consulta, o adivinho deve tocar o solo com a ponta dos dedos e roçar de leve seu próprio peito pronunciando Ilero ou Lelo como fora de saudação.
Obs.: esse Odu só tem ebó se aparecer nas 3 posições e o ebó será entregue na beira de riacho limpo.

Personalidade
São pessoas com personalidade forte e objetivos definidos. São francos, sinceros, não aceita falsidade, ciúmes, falta de espírito de luta e geralmente são criaturas tensas e nervosas.
Não se preocupam com as lutas e sacrifícios que terão que enfrentar para conquistar o que desejam.
Tendências para jogos, bebidas e casos amorosos. Ótimos como amigos, terríveis como inimigos.
Pessoas com esse Odu são intuitivas, joviais, sinceras e honestas.
Revelam grande combatividade, mas não sabem conviver com a derrota.
Apesar de volúveis no amor, são muito ciumentas.
São pessoas alegres e felizes, possuem muita sorte, mas não chegam a ficar ricos, não são ambiciosos e dividem tudo o que tem. São confiantes, voluntariosos, geniosos, prepotentes, exigentes e tentam impor a sua vontade.
Dessa maneira podem adquirir inimigos declarados e ocultos, pois as pessoas desse Odu são muito invejadas e podem atrair inimigos traiçoeiros acarretando muitas demandas para vencer os obstáculos.
São geniosos e exigentes. Impõem a sua vontade, por isso também adquirem muitos inimigos. São alegres e felizes porém quando nada lhes sai a contento, tornam-se sofredores. Possuem muito bom coração. São corajosos, briguentos, possuem iniciativa própria, são ambiciosos.

Uma das lendas desse Odu
Dizem as histórias que havia diversos príncipes que disputavam o poder. Também havia outros fidalgos oriundos de diversas cidades. Entre estes, havia tela-okô, que era desprovido de todos os meios de subsistência.
E lá um dia, enquanto roçava, bem no lugar onde havia colocado o ebó que ele tinha feito conforme a maneira decretada, tela-okô bateu com a enxada num forno enorme, que se abriu, causando-lhe grande espanto. Chamou os companheiros que estavam mais afastados, dizendo que tinha afundado no buraco da riqueza.
Mas, em seguida, tendo ele reconhecido ser deveras um verdadeiro tesouro da fortuna o que encontrara, mudou repentinamente, dizendo que o que tinha encontrado era apenas um buraco cheio de orobôs, e que estes eram tão alvos que pareciam tratar-se de moedas.
Claro que através deste caminho de odú, entende-se que jamais devemos revelar de onde provem nossas riquezas e não o tanto o que temos, afim de evitar invejosos, perseguidores e ladrões.